Prêmio Caio

Detalhe do Case

Prêmio Caio 20ª Edição

Case: Windsor Hoteis investe no projeto social “Escola de Artes do Spanta”

Alunos da Escola de Artes do Spanta

Candidato: Windsor Hoteis
Cliente: Windsor Hoteis
Segmento: Prêmio Caio Sustentabilidade
Estado:

A fim de valorizar e promover a cultura no Rio de Janeiro, via Lei Municipal de Incentivo à Cultura (Lei do ISS/RJ), a Windsor Hoteis e a Prefeitura do Rio de Janeiro patrocinaram o projeto social “Escola de Artes do Spanta”, que beneficia cerca de 100 crianças e adolescentes de 7 a 17 anos de idade.   

O projeto é realizado na Associação de Moradores da Comunidade Santa Marta e consiste em ofertar aulas de intrumentos musicais, artes cênicas, expressão corporal e atividades psicossociais para crianças e adolescentes. Em dez anos de atuação, a escola já atendeu mais de 700 pessoas, tendo o apoio de uma equipe especializada e multidisciplinar composta por profissionais graduados.

Os alunos também participam de apresentações promovidas pelo projeto ou a convite de escolas e demais organizações. Entre as atividades próprias estão os eventos Spantinha, Festival Movimenta e o Espetáculo de Fim de Ano.
 
Site: https://www.spantanenem.com.br/
 
SOBRE A REDE WINDSOR HOTEIS
Há mais de 30 anos no mercado brasileiro, a Rede Windsor possui hotéis de três a cinco estrelas. Dona de um dos maiores grupos hoteleiros independentes do país, possui 14 unidades no Rio de Janeiro entre Zona Sul, Barra da Tijuca e Centro, além de 2 unidades em Brasília. A Rede conta ainda com o Centro de Convenções & Hotéis Windsor, o maior centro integrado de hotéis e eventos da capital fluminense, onde estão o Windsor Barra, Windsor Oceanico, além do Centro de Convenções. O espaço tem 24 mil m², com 105 salões multiúso, a maior plenária comporta até 2.500 pessoas, com  capacidade de atender um público flutuante de até 7 mil pessoas. Como reconhecimento por excelência em hospedagem, figura também em premiações nacionais e internacionais.

Galeria de Fotos

O desafio: o Brasil e a cidade do Rio de Janeiro, em especial, apresentam questões muito complexas ligadas à segurança pública e carecem de políticas públicas voltadas para pessoas de baixa renda. Com isso, o grande desafio é manter as atividades do projeto para que crianças e adolescentes das comunidades tenham um caminho diferente do mundo do crime e das drogas. 



Objetivo principal: ser um agente de mudança nas comunidades onde atua, vislumbrando proporcionar às crianças e aos jovens acesso à cultura, e possibilitar o desenvolvimento musical como oportunidade de carreira profissional.



Objetivo secundário:  reforçar o posicionamento da Rede Windsor junto à comunidade e aos seus colaboradores como uma empresa que se preocupa com o desenvolvimento sustentável da sua área de atuação, apoiando não somente a cultura, como já faz historicamente, como também o desenvolvimento de novos talentos e de oportunidades nas áreas culturais, sociais e profissionais para pessoas das mais variadas rendas da nossa comunidade.



Estratégias: A Rede Windsor tem a Sustentabilidade como um dos seus mais importantes valores e, por isso, acredita no potencial da educação para transformar a realidade de crianças e adolescentes. Além de facilitar o acesso à cultura, o projeto tem investido na profissionalização dos participantes que, futuramente, poderão trabalhar com arte e até mesmo contribuir para formação de novos profisssionais, como já acontece no projeto.  

 

Galeria de Fotos

Em  2003, foi criado o Bloco Spanta Neném, que surgiu da vontade de celebrar dois importantes patrimônios cariocas: o carnaval de rua e a exuberância da Lagoa Rodrigo de Freitas. 



Com o propósito de ser mais do que um bloco de carnaval e colaborar com a formação de crianças e adolescentes da comunidade Santa Marta, em 2009, foi criada a  “Escola de Música do Spanta”. Ao longo dos anos, o  projeto englobou outras atividades artísticas e passou a se chamar  “Escola de Artes do Spanta”.



Hoje, o projeto conta com várias atividades realizadas semanalmente, incluindo aulas de violão, cavaquinho, flauta doce, flauta transversa, trombone, trompete, percussão geral e bateria, bateria de escola de samba, dinâmicas musicais, canto, teoria musical, artes cênicas, expressão corporal e atividades psicossociais. 



Os alunos também participam de apresentações públicas, como: o evento Spantinha, realizado durante o carnaval, com várias atividades infantis; o Festival Movimenta que, anualmente, leva uma vasta programação cultural para a comunidade do Santa Marta  e também o espetáculo de fim de ano, no qual as crianças e adolescentes da escola se apresentam em instituições de ensino e outras organizações com e sem fins lucrativos. 



Em 2019, os alunos da escola também participarão do Festival de Verão na Marina da Glória, produzido pelo bloco Spanta Neném,  que apresentará uma diversidade de ritmos para comemorar a estação mais esperada do ano para os cariocas.

Galeria de Fotos

Além da comunidade Santa Marta, a iniciativa também é divulgada para as comunidades do entorno, como Rocinha, Tavares Bastos e Ladeira dos Tabajaras impactando um público de mais de 75 mil pessoas. 



Para alcançar esse público,  a Escola de Artes  utiliza posts e anúncios nas redes sociais e cartazes em projetos sociais ao redor da Comunidade Santa Marta, além de levar a informação por meio de apresentações culturais realizadas pelos estudantes dentro e fora da comunidade.



Em dez anos, o projeto já formou diversos ritmistas que, atualmente, participam da bateria da  escola de samba Mocidade Unida do Santa Marta e outras do grupo especial, como a São Clemente. Muitos ainda atuam como monitores da oficina de percussão do bloco Spanta Neném.



Um exemplo de sucesso do projeto é o aluno Rangel Fernandes, que frenquenta a escola desde 2010. Além de ministrar aulas de música, ele participou de diversas oficinas e atividades complementares à formação da cidadania dos alunos, como rodas de conversa, coach de carreira e intercâmbios socioculturais.  Apesar de ser um músico muito empenhado, aos 17 anos, ele prestou o teste de habilidade específica para violão na Unirio, mas não foi aprovado. Porém, não se abateu e decidiu seguir uma outra vocação. Atualmente,  está concluindo a Faculdade de Educação Física e também cursa História no Centro Universitário IBMR. Mas a música ainda está presente na sua rotina. Nas horas vagas, ele se dedica a dar aulas particulares de violão. Histórias como essa provam como a cultura pode ser um agente transformador, mesmo em ambientes que possuem uma forte influência do tráfico de drogas. 



Em  2020,  o projeto  tem como meta dobrar o número de alunos, totalizando 200 atendidos, e realizar atividades contínuas na Creche Mundo Infantil, também localizada no Santa Marta, permitindo assim, que crianças menores de seis anos possam ter contato com a arte.  Além disso, pretende-se ampliar as atividades para outras comunidades do Rio de Janeiro.